Carregando

Buscar

Futebol

Rodolfo Landim dispara contra a CBF após não adiamento de jogos do Brasileirão: “Parece retaliação”

Compartilhe

Em entrevista coletiva depois da vitória por 3 a 0 contra o Athletico Paranaense, o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, pediu a palavra para questionar, mais uma vez, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Desta vez, o mandatário criticou o não adiamento dos jogos das equipes com jogadores convocados para as eliminatórias da Copa do Mundo de 2022.

“Falam que o público pode influenciar no resultado do jogo, imagine você perder seus principais jogadores? É o que acontece com os clubes e principalmente com o Flamengo”, iniciou a sua fala.

“Sentamos e conversamos com a CBF, tivemos discussões técnicas muito boas, avaliamos todos os aspectos e vimos a possibilidade de extensão até o dia 26. Isso impactaria apenas duas equipes, as finalistas da Copa do Brasil, e até o dia 19 as equipes da Série A, que poderiam ter férias. Permitiria que tivéssemos um calendário mais justo e sem quebra de isonomia”, completou.

O Flamengo já possui três jogos a menos em relação aos adversários em virtude de partidas adiadas ao longo da temporada. O próximo jogo será na quarta-feira (6), fora de casa, contra o RB Bragantino. Confira a íntegra do pronunciamento de Landim:

“Estou no Flamengo há quase três anos e nunca participei de nenhum entrevista pós-jogo, mas tendo em vista o que ocorreu durante a semana, me senti na obrigação de estar aqui. Todos acompanharam o noticiário sobre calendário. O Flamengo tem o compromisso com sua torcida e com o futebol brasileiro de investir para formar o plantel com os melhores jogadores possíveis. É natural que esses atletas sejam observados para defender suas seleções. Existe uma regra, que é seguida no mundo todo e infelizmente não é seguida no Brasil, a das datas Fifa. Para que haja isonomia nos campeonatos, eles são paralisados para que os clubes não sejam prejudicados.

– Para se ter ideia, tivemos jogadores com convocações que afetaram, no mínimo, dez jogos do campeonato. Alguns voltaram lesionados e isso afetou o Brasileiro e também a Copa do Brasil. Se discutiu muito isonomia de presença de público no estádio e foi uma luta que o Flamengo se envolveu, sempre seguindo os protocolos das autoridades para que o público voltasse. É um outro espetáculo, mesmo quando o público é restrito.

– Falam que o público pode influenciar no resultado do jogo, imagine você perder seus principais jogadores? É o que acontece com os clubes e principalmente com o Flamengo. Sentamos e conversamos com a CBF, tivemos discussões técnicas muito boas, avaliamos todos os aspectos e vimos a possibilidade de extensão até o dia 26. Isso impactaria apenas duas equipes, as finalistas da Copa do Brasil, e até o dia 19 as equipes da Série A, que poderiam ter férias. Permitiria que tivéssemos um calendário mais justo e sem quebra de isonomia. Isso foi acordado com a CBF e voltaram atrás na decisão. Isso causa uma profunda indignação. É inaceitável!

– É mais problemático ainda quando sabemos que o Flamengo tem se envolvido em algumas lutas importantes ao longo dos anos pela melhoria do futebol brasileiro, defendendo posições fortes. Fica parecendo que isso pode ser uma retaliação contra o clube. Não da CBF, com a qual temos conversado no dia a dia, mas de uma outra CBF que não conseguimos enxergar.

– Sabemos situações não só de não paralisação, mas avaliando a tabela. São coisas incompreensíveis. Jogamos em São Paulo, vamos para o Ceará, voltamos com o período mínimo de terça-feira, e depois no domingo. Tudo sabendo que na quarta-feira temos o primeiro jogo da Copa do Brasil. São coisas que não entendemos ou preferimos acreditar que não existe algo maior por trás disso. O que é mais importante é deixar registrada a indignação em relação ao que aconteceu. Seguiremos lutando pelos títulos”

João Felix

Imagem de capa: Reprodução/FLA TV

Em destaque