Carregando

Buscar

Futebol

Técnico de time da Série D ameaçou jogadores do próprio time antes de goleada, revela dirigente

Compartilhe

Um ocorrido na Série D do Campeonato Brasileiro virou caso de polícia. Na noite que antecedeu o jogo entre Grêmio Atlético Sampaio (GAS) e o Castanhal, pela 11ª rodada, o técnico Silmar Simão teria sido ameaçado e, em seguida, reproduziu as ameaças aos seus próprios atletas e membros da comissão técnica. Silmar ameaçou os seus companheiros temendo que “algo acontecesse com ele”.

“Se acontecer alguma coisa comigo aqui, teve um anjo que me avisou que eu tô correndo perigo. Se acontecer alguma coisa comigo aqui, a minha família é poderosa e tá todo mundo f* aqui”, teria dito Silmar Simão. O treinador foi demitido e Borges Neto, dirigente do clube, assumiu a equipe na derrota de 5 a 0. Ele mesmo revelou bastidores do imbróglio.

Borges pediu explicações para Silmar Simão, mas não obteve sucesso. “Professor, quem foi que lhe ameaçou? Foi por telefone? E ele disse “não posso falar que é pra resguardar a vida da pessoa e a minha. Depois eu até falei pra chamarmos a polícia e verificar o celular de cada um de nós, mas ele retrucou dizendo “eu não disse que foi de celular”, comentou o dirigente.

Atletas revelaram a surpresa e o incômodo com a situação. “Foi muito chato. Ainda fui pra delegacia acompanhar eles. Estava praticamente quase todo mundo na hora. Foi difícil dormir e descansar, o foco mudou”, disse um dos jogadores ao “ge”. Uma conversa entre membros do GAS no WhatsApp também foi divulgada. Confira:

 
João Felix

Mesmo sem entender o que ocorreu, Borges Neto sugeriu que Silmar fosse na delegacia prestar um Boletim de Ocorrência – ainda assim, o treinador não revelou quem o ameaçou. “Primeiro que ele nem queria registrar o B.O. Nós pedimos ao gerente para ver as imagens do hotel, e nas imagens mostra que ele subiu para o quarto sorrindo após jantar, desceu normal e depois chegou com essa “resenha”, disse Borges Neto.

As duas partes chegaram a um comum acordo para rescindir o contrato de Silmar Simão, que não é mais treinador do GAS. Ele ficou no comando da equipe por apenas 11 dias.

Imagem de capa: Reprodução

Em destaque