Carregando

Buscar

Futebol

Joan Laporta desabafa sobre situação financeira do Barcelona durante coletiva: “As dívidas passam de 1 bilhão de euro”

Compartilhe

Após ser durante criticado em um protesto que ocorreu no domingo por torcedores do Barcelona, principalmente pela saída de Lionel Messi, Joan Laporta concedeu uma entrevista nesta segunda-feira e explicou alguns pontos internos do clube, como a situação financeira atual.

O presidente revelou que a diretoria precisou pedir um empréstimo 80 milhões de euros para pode pagar o salários, e que a última gestão deixou dívidas acima de 1 bilhão de euros, além de uma política salarial e de contratações erradas que causaram prejuízos. 

“Eles (antiga diretoria) são responsáveis por tudo até 7 de março. Eles não sairão disso ilesos. Ao chegar no clube encontramos uma situação financeira dramática. As dívidas passavam dos 1bi de euros. Quero contextualizar a situação econômica em que nos encontramos no clube. A primeira coisa que tivemos de fazer foi pedir um empréstimo de 80 milhões de euros (que nos foi concedido pela Goldman Sachs) para podermos pagar o salários”.

“Encontramos uma política salarial e de contratações erradas que nos causaram e continuam nos causando muitos prejuízos. Os veteranos têm contratos longos e os jovens têm contratos curtos, por exemplo. Por exemplo, houve uma pessoa que cobrou 8 milhões de euros para detectar talentos na América do Sul, um montante indevido e que tem produzido efeitos na economia da entidade”, acrescentou o mandatário.

Foto de capa: Reprodução/Barcelona
João Felix

Sobre o alto custo de reparação no Camp Nou, estádio do Barcelona, Laporta disse que era necessário realizar a reforma para voltar a ter público, como ocorreu no domingo, na estreia do time na nova temporada do Espanhol, agora sem Messi.

“Tivemos de fazer reparações no Camp Nou porque havia um risco. O custo foi de 1,8 milhões de euros. Graças à rapidez com que agimos, este domingo o público pôde vir ao estádio”.

O presidente ainda ressaltou ações da antiga gestão que impactaram no seu trabalho atual. Ele revelou que o dinheiro recebido ela transação de Neymar foi gasto de forma descontrolada, o que acarretou dívidas e prejuízos para o seu mandato.

“Eles receberam os 220 milhões de euros por Neymar e os gastaram na velocidade da luz e de forma descontrolada. E agora nos encontramos com salários e dívidas gigantescas. Eles acabam acreditando nas próprias mentiras”.

Ainda acrescentou: “Vamos trabalhar muito para reverter a situação econômica e esportiva. O desafio é grande, mas juntos iremos alcançá-lo. Os capitães me disseram que vão deixar até a última gota de sangue para fazer desta nova fase um sucesso. Apostando no futebol e em todos unidos, tenho a convicção de que nesta nova temporada trilharemos um caminho de sucesso”.  

Em destaque