Carregando

Buscar

Futebol

Presidente do Barcelona, Laporta explica saída de Messi: “Razões econômicas muito claras”

Compartilhe

O presidente do Barcelona, Joan Laporta, concedeu uma entrevista coletiva, na manhã desta sexta-feira (6) no Camp Nou, em que explicou detalhadamente os motivos que o levaram a não renovar o contrato do maior jogador da história do clube, o atacante Lionel Messi. O mandatário do time catalão fez questão de deixar claro que o argentino queria ficar na equipe, assim como esta era a vontade do Barça: “É a sua casa”.

“Infelizmente temos uma instituição com 122 anos de história, que está acima de tudo, de todos os jogadores, inclusive do melhor jogador do mundo, do presidente. Ele (Messi) nos deu tanta coisa, estaremos agradecidos eternamente. Os motivos pelos quais não pudemos e decidimos (não renovar) foram as razões econômicas muito claras, em que se encontram a entidade”, disse Laporta.

João Felix

Além disso, o presidente do Barcelona garantiu que não será possível uma reviravolta na negociação e assinar novamente com o camisa 10. “Não quero gerar falsas expectativas. Há um tempo limite, e o jogador tem outras propostas. Leo colocou todas as facilidades possíveis: jogar dois anos, e o pagaríamos em cinco. Queríamos que o ‘pós-Messi’ começasse em dois anos, mas não foi possível. Temos que conseguir que o Barça, sem Messi, siga dando alegrias aos torcedores”, comentou.

Laporta ainda justificou que a situação financeira deixada pela antiga diretoria na equipe blaugrana foi um fator decisivo para a não extensão do vínculo do craque – ele ainda revelou que existe a expectativa de que o clube perca 487 milhões de euros (R$ 3,016 bilhões na cotação atual) na próxima temporada. “Desgraçadamente, recebemos uma herança nefasta. A folha salarial representa 110% das receitas do clube. Não temos margem salarial. Quando chegamos ao clube, os números apresentados depois da auditoria foram muito piores do que nos haviam dito e do que prevíamos. As perdas são muito elevadas, as dívidas muito elevadas. Não temos margem”, afirmou.

Foto: Reprodução/Getty Images

Em destaque