Carregando

Buscar

Futebol

Boca Juniors detona a Conmebol após jogo contra o Atlético-MG: “Fomos prejudicados de forma maliciosa”

Compartilhe

O Boca Juniors emitiu, na tarde desta quarta-feira (21), um comunicado em que tornou pública sua revolta após a partida contra o Atlético-MG, na noite da última terça-feira (20), quando foram eliminados da Copa Libertadores. Assim, o clube argentino reclama de ter sido prejudicado pela arbitragem, ao ter gols anulados tanto no jogo de ida quanto no da volta.

Na nota emitida, o Boca Juniors se considera o único clube da história da Libertadores em que, ao vencer os dois duelos do confronto, é eliminado. Isso porque o VAR anulou os gols de Diego González em Buenos Aires e em Belo Horizonte, os quais o clube de La Bombonera acredita que foram legais.

João Felix

Veja a nota oficial emitida pelo Boca Juniors:

“O Club Atlético Boca Juniors, instituição com 116 anos de história, sofreu duas inexplicáveis derrotas frente ao Atlético Mineiro nesta série da Copa Libertadores, anulando gols legais que destruíram o espírito esportivo do torneio de maior prestígio do continente.

Hoje, nossos parceiros, fãs, jogadores e equipe técnica foram prejudicados de forma maliciosa, interpretando a tecnologia VAR de forma maliciosa e intencional.

O ocorrido marca um acontecimento inédito, pois é o único caso em que ao vencer os dois jogos da série um clube é eliminado da competição.

Situações como as vividas nos últimos dias revelam a gestão tendenciosa do nosso futebol continental.

Também não podemos esquecer que da mais alta autoridade do Clube Atlético Mineiro disparou com expressões violentas e ameaçadoras durante vários dias até chegar aos infelizes acontecimentos em que sofreram danos físicos os nossos jogadores, comissão técnica e dirigentes, que tiveram de ser atrasado por mais de 12 horas em situações infelizes para não quebrar a bolha da saúde.

Mais uma vez fomos prejudicados por decisões que pouco têm a ver com o esporte e muito com a gestão arbitrária de uma competição que não o merece.”

Foto: Reprodução/Getty Images

Em destaque