Carregando

Buscar

Futebol Stick

Arboleda, Gabigol e mais: o time formado por jogadores brasileiros que furaram a quarentena na pandemia

Gabigol
Compartilhe

Se antes da pandemia da Covid-19, jogadores gostavam de gerar polêmica em festas e baladas, durante a quarentena não foi diferente. Gabigol, do Flamengo, e Robert Arboleda, do São Paulo, são dois dos principais nomes nas manchetes de descumprimento de protocolo. A longa lista faz com que seja possível completar um time inteiro com direito a banco de reservas.

Para começar, o goleiro Hugo Souza (o Neneca), do Flamengo, teria dado uma festa clandestina e traído a noiva em abril de 2021. No final do referido mês, Leo Pereira repetiu o feito do seu colega flamenguista e, por isso, é o primeiro lateral a compor a escalação. Em junho de 2020, Felipe Melo, do Palmeiras, esteve de férias e promoveu aglomeração de pessoas para comemorar seu aniversário.

Foto: Alexandre Durão
João Felix

A zaga fica completa com Arboleda, o “dono” das manchetes polêmicas: desde que chegou ao Tricolor, ele sempre esteve nos holofotes com idas para baladas, festas e chegou até a ser enquadrado pela polícia por estar sem máscara no último dia 28 de maio. Para o meio, outros dois atletas do Verdão: Ramires, que teve fotos suas aglomerando divulgadas no fim do ano passado, e Lucas Lima, que no dia 18 de junho, foi flagrado em festa clandestina.

Otero, do Corinthians, completa a meiuca por ter ido a uma festa com Cazares, quando ainda estavam no Atlético-MG em 2020. Além disso, o jogador acompanhou o atacante Jô em um resort enquanto a equipe paulista lidava com um surto de Covid-19. A situação rendeu críticas de Emerson Sheik. Gabigol, que foi flagrado em um cassino, e David Neres, que esteve com Arboleda, fecham o ataque do “Fura Quarentena Futebol Clube”. O comandante não poderia ser outro: Renato Gaúcho, que foi inúmeras vezes à praia durante 2020 e 2021, antes e depois do Grêmio.

E, tem mais! Para o banco de reservas: Alemão, zagueiro do Avaí, desrespeitou os protocolos impostos por Santa Catarina e esteve em uma festa clandestina em março. Luiz Adriano, do Palmeiras, testou positivo para Covid-19, mas resolveu levar a mãe a um supermercado em abril deste ano. Na saída do local, o atleta ainda atropelou um pedestre. Em setembro de 2020, o atacante Sassá aglomerou e teve seu contrato com o Coritiba rescindido. Já em novembro, o atacante Marrony e o meia Borrero, do Galo, estiveram em festa clandestina.

Esse time pegaria um bom lugar na tabela do Campeonato Brasileiro? Compartilhe!

Em destaque