Carregando

Buscar

Futebol

Rogério Caboclo promete ao governo federal que haverá substituição de Tite por Renato Gaúcho; entenda

Compartilhe

Neste domingo (06), o jornalista André Rizek informou que Rogério Caboclo garantiu ao presidente Jair Bolsonaro que haverá troca de comando na seleção brasileira após Tite manifestar desejo em não participar da Copa América. Segundo a publicação do “GE”, Caboclo teria afirmado que Renato Gaúcho irá substituir Tite na terça-feira (06). 

Na última quinta-feira (03), Tite revelou que os jogadores brasileiros que atuam na Europa estavam dispostos a não jogar a competição sul-americana de seleções. Após isso, o técnico se mostrou do lado aos atletas e foi criticado nas redes sociais, principalmente por apoiadores e pelo próprio governo federal, que garantiu que ele seria demitido. A escolha de Renato Gaúcho, aliás, se dá pelo bom relacionamento do ex-Grêmio com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

A fala do presidente da CBF surge em meio a momentos turbulentos dentro da organização, uma vez que o cartola está em investigação após acusação de assédio sexual e moral por uma funcionária da entidade. O processo está sendo analisado na Comissão de Ética.

Foto: Getty Images

João Felix

Vale observar que, em meio às falas e movimentações por todos os lados, o presidente Jair Bolsonaro não pode interferir na CBF. De acordo com Estatuto da Fifa, artigos 14 e 19, as federações devem ter autonomia em suas decisões, o que inclui a manutenção ou não da comissão técnica.

“O estatuto da Fifa, no seu art. 14, traz obrigações que devem ser cumpridas pelas associações nacionais e que, caso não sejam, podem levar à suspensão e até a expulsão das mesmas. Entre essas obrigações está o cumprimento de regulamentos, disposições, decisões e estatutos da entidade. No que toca a questões pessoais, de membros das associações nacionais, estas devem observar toda a regulação do Código de Ética da Fifa, em especial o capítulo que versa sobre as regras de conduta”, explica Pedro Juncal, advogado especialista em direito desportivo em entrevista ao “UOL Esporte”.

Em destaque