Carregando

Buscar

Futebol

Trechos polêmicos da reunião da CBF são vazados; confira algumas falas de Caboclo

Compartilhe

Algumas partes da reunião de dirigentes dos clubes brasileiros das Séries A e B e das federações estaduais de futebol com a CBF foram vazadas pelo jornalista Venê Casagrande, do jornal “O Dia”. O encontro, que aconteceu online por vídeo-chamada, tinha a finalidade de discutir a paralisação ou não do futebol no país devido a crescente da pandemia de Covi-19. Por unanimidade, foi decidido manter as competições em andamento no Brasil.

O presidente da CBF, Rogério Caboclo, suplicou por uma união dos times para que o esporte consiga prosseguir o calendário. “Eu vou dizer aqui. Se não houver negociação coletiva, o Brasil perde. Afirmo. Perde o Nordeste, o Bahia, o Ceará, o Fortaleza, todos. Perdem os clubes do Rio, que nunca vão se equiparar, perde o Vasco, o Botafogo, o Fluminense. Eu elevo o Flamengo ao status que merece hoje. Os clubes de São Paulo, muito bem colegiados e estabelecidos, têm uma noção razoável, erigidos pelo presidente Reinaldo (Carneiro Bastos, mandatário da FPF), são cinco clubes que falam a mesma voz, uma única voz”, declarou Caboclo.

João Felix

O presidente da entidade máxima do futebol no país ainda defendeu a organização e criticou as autoridades. “O fato é que praticamos (CBF) aquilo que o Governo deveria ter feito. Os governos talvez não tenham feito. Não vou me alongar. Eu queria ter colocado uma ampulheta para delimitar as palavras daqueles que vão falar a respeito de tudo isso”, comentou.

Caboclo também foi firme ao ser a favor da continuação das competições no país. “As pessoas em casa sob bandeira vermelha, sob bandeira preta… eu não abrirei mão a não ser sob doutorado dos senhores de deixar de jogar as competições nacionais e retirar nas internacionais e incorporará as estaduais… Então, por gentileza, vamos pensar agora: nós podemos parar o futebol? A Rede Globo não quer. Ninguém quer. Seus patrocinadores não querem. E se parar sabe quando nós temos a segurança de dizer que a gente pode voltar? Nunca”, afirmou.

Além disso, o presidente da CBF, em um tom de voz mais alto, ressalto que todos os clubes são tratados da mesma maneira no Brasil. “Eu disse para o presidente da Fifa (Gianni Infantino): ‘O Flamengo tem uma camisa gigante, mas aqui ele é tratado quase igual ao clube que foi rebaixado, como o Oeste de Itápolis’. Não diferenciamos nenhum clube. Não existe o gigante, não existe o pequeno. Nós tratamos os clubes de forma equânime, cada um com o seu potencial econômico e financeiro, naturalmente cada qual vai ser mantido no seu patamar”, garantiu Caboclo.

O presidente do Avaí, Francisco Battistotti, fez elogios ao presidente da CBF: “Parabéns, Rogério, pela sua colocação. Parabéns por essa posição. O Avaí Futebol Clube acha a sua posição coerentíssima. Aqui em Santa Catarina, só o Rubinho e eu sentimos na carne o que estão fazendo. Sentimos na carne a influência política determinando que seja cancelado o futebol catarinense. Um dia fecham a cidade. Outro dia por interferência de outros prefeitos fecham a outra. Parabéns, presidente Caboclo.”

Já Maurício Galiotte, presidente do Palmeiras, ressaltou que a decisão não pode ser pensada apenas entre os presentes naquela renião: “Acredito no protocolo, mas o futebol não se faz sozinho. Não pode ser uma decisão somente dos clubes”.

Ao todo, a reunião contou com 70 participantes. No vídeo divulgado pelo jornal “O Dia”, 11 pessoas apareceram na tela:

Duílio Monteiro – Corinthians

Maurício Galiotte – Palmeiras

Rodolffo Landim – Flamengo

Guilherme Bellintani – Bahia

Walter dal Zotto – Juventude

Nilton Pinheiro – Grêmio Esportivo Brasil

Jorge Salgado – Vasco

Danilo Rezini – Brusque FC

Rogério Caboclo – CBF

Sérgio Coelho – Atlético-MG

Francisco José Battistotti – Avaí FC.

Veja o vídeo publicado pelo jornalista Venê Casagrande, do jornal “O Dia”, com trechos polêmicos da reunião entre o presidente da CBF e os clubes brasileiros:

Foto: Divulgação/Lucas Figueiredo/CBF

Em destaque