Carregando

Buscar

Futebol

“Fui vítima de uma guerra política”, diz Rafinha sobre os motivos que impediram retorno ao Flamengo

Compartilhe

No início desta segunda-feira (22), o lateral Rafinha concedeu entrevista ao programa “Seleção SporTV” para falar a respeito do seu retorno ao Flamengo. De acordo com ele, um detalhe político pode ter interferido na contratação.

Rafinha iniciou a conversa falando sobre o momento vivido por ele, alegando que tem sofrido ataques de torcedores, sendo chamado de mercenário. Em outra declaração, voltou a afirmar que dinheiro não é o empecilho.

Não posso ser hipócrita. Eu saí do Flamengo porque recebi uma proposta para ganhar 3 vezes mais. Eu tenho família, 3 filhos para criar e 50 pessoas que carrego nas costas. Com 34 anos, eu não poderia perder essa oportunidade. Eu fui porque eu quis”, disse Rafinha.

“Eu abri mão de muita coisa para voltar ao Flamengo. Só queria deixar claro ao torcedor que dinheiro não foi o principal motivo. [...] A partir de hoje, virei a chave. Meus representantes estão liberados para buscar um novo clube. Quero jogar em um clube que tenha um projeto legal. Não negociei com ninguém até agora. Eu estava há 35 dias esperando o Flamengo decidir.”

Rafinha

Perguntado sobre propostas de outros clubes durante o período em que esteve negociando com o Rubro-Negro, o lateral afirmou que foi procurado por times internacionais, mas as conversas não avançaram. Segundo ele, clubes da MLS demonstraram interesse.

Voltando a falar em valores, o brasileiro reiterou que faria de tudo para se adaptar à realidade do Flamengo e revelou o que pode ter travado o seu retorno. Apesar do respeito para com os comandantes do time carioca, Rafinha declarou que foi vítima de uma guerra política pelos vice-presidentes.

“Marcos Braz e Bruno Spindel fizeram de tudo para que eu voltasse ao Flamengo. Eles fizeram umas 30 reuniões. Brigaram por mim. [...] Não foi por dinheiro. Eu flexibilizei ao máximo, aceitei receber parte do dinheiro em 2022. Não voltei porque pessoas não me queriam. Claro que fui vítima de uma guerra política. Paguei o pato. Essas pessoas deveriam se preocupar com os deveres dentro do clube. Eu não podia pagar a conta. ”

disparou Rafinha

Por fim, Rafinha falou sobre a sua passagem vitoriosa pelo Flamengo e demonstrou gratidão para com a equipe. No entanto, ele acredita que, com essa guerra em andamento, quem perde com a ausência é o próprio Rubro-Negro.

“Eu era um líder no Flamengo. Não me deixaram voltar porque o departamento de futebol ficaria mais forte. Quem perde é o Flamengo. Porque todos nós trabalhamos em prol do Flamengo, para ajudar o Flamengo.”

desabafou Rafinha

Foto: Getty Images

João Felix

Em destaque