Carregando

Buscar

Futebol

Empresa do VAR culpa sombra no campo e ângulo das câmeras por equipamento “descalibrado” em Vasco x Inter

Compartilhe

A CBF divulgou uma nota em que a Hawk-Eye, empresa responsável pelo VAR no Campeonato Brasileiro, se explica sobre o ocorrido na partida do último domingo (14) entre Vasco da Gama e Internacional, em São Januário, pela 36ª rodada da competição. No primeiro gol do jogo, marcado por Rodrigo Dourado, da equipe de Porto Alegre, aos nove minutos da etapa inicial, o lance não teve revisão de impedimento pelo fato do VAR estar “descalibrado”. Segundo a empresa, a sombra no campo e o ângulo das câmeras causaram tal falha do árbitro de vídeo.

O CEO da Hawk-Eye, Adam Fry, afirmou que o sistema foi recalibrado poucos minutos depois e que “infelizmente, esse processo não havia sido concluído quando a revisão foi solicitada e as linhas não estavam disponíveis para uso”. Além disso, a empresa divulgou imagens para comprovar que o VAR estava operacional antes da partida iniciar e após a recalibração, o que não aconteceu no momento do gol de Dourado, ou seja, até os nove minutos de jogo. Devido ao acontecimento, o Vasco enviou um ofício à CBF pedindo a anulação da partida.

João Felix

Leia a nota da Hawk-Eye:

“A quem possa interessar,

Durante a partida VASCO DA GAMA x INTERNACIONAL na data 14 de fevereiro de 2021, ocorreu, lamentavelmente, um problema técnico que afetou a disponibilidade das linhas de impedimento.

Esse inconveniente foi causado pelo baixo ângulo das câmeras, em conjunto com a sombra se movendo no campo. Embora seja uma ocorrência muito incomum no software, a equipe operacional imediatamente seguiu o procedimento para recalibrar o sistema, o que foi concluído em poucos minutos. Infelizmente, esse processo não havia sido concluído quando a revisão foi solicitada e as linhas não estavam disponíveis para uso.

A questão foi comunicada ao VAR, que seguiu o protocolo de acordo com os requisitos da FIFA e da IFAB, informando ao campo a situação, e que nenhum erro claro e óbvio poderia ser determinado apenas com base nas imagens da TV, recomendando ao árbitro de campo manter sua decisão inicial de validar o gol.

O sistema estava totalmente operacional no início da partida e imediatamente após a recalibração, conforme as imagens abaixo. A tecnologia Hawk-Eye e nossos operadores cumprem os mais altos padrões de qualidade, no entanto, situações como essa nos inspiram a sempre nos dedicarmos no sentido do aprendizado e da inovação.

A Hawk-Eye gostaria de pedir desculpas à CBF e aos torcedores de futebol em geral por este inconveniente, e garantir que temos o compromisso de inovar continuamente e aprimorar a tecnologia para tornar todos os esportes, inclusive o grande jogo de futebol, uma experiência mais justa e mais emocionante.”

Foto: Divulgação/Ricardo Duarte/SC Internacional

Em destaque