Carregando

Buscar

Futebol

Torcedores palmeirenses se unem em carta aberta contra ações do clube com Bolsonaro; entenda

Compartilhe

Alguns grupos de torcedores do Palmeiras resolveram se reunir e divulgar, neste domingo (24), uma carta aberta direcionada ao mandatário do clube, Maurício Galiotte, realizando um pedido específico envolvendo o presidente da República, Jair Bolsonaro. 

No caso, o comunicado pede que o líder de estado brasileiro não seja envolvido em possíveis ações em caso de vitória na final da Copa Libertadores da América, em 30 de janeiro, diferentemente do que ocorreu na conquista do Campeonato Brasileiro de 2018.

Na oportunidade, Bolsonaro entregou a taça de campeão aos jogadores e participou das celebrações ainda dentro do gramado no Allianz Parque. Para a partida decisiva a ser realizada no Maracanã, já imaginando uma possível repetição da cena, os torcedores pediram que “ações populistas” feitas pelo presidente da República na final do torneio continental não sejam ligadas à imagem do time alviverde.

Bolsonaro, por sua vez, declarou que ficará “neutro” em relação ao vencedor da final da Copa Libertadores, discurso consoante a uma postura isenta que dialogaria com as duas torcidas envolvidas no jogo.

Veja a seguir a carta aberta na íntegra:

Carta aberta ao presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras, senhor Maurício Precivalle Galiotte 

Nós, torcedores palmeirenses que assinamos esta carta, exortamos o presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras, senhor Maurício Precivalle Galiotte, a não endossar qualquer tipo de ação que coloque o clube sob o jugo de ações populistas e oportunistas por parte do presidente da República, Jair Bolsonaro, na ocasião da grande final da Copa Libertadores da América da presente temporada. 

30 de janeiro de 2021 já é um dia histórico para nós, palmeirenses. Uma das mais importantes decisões que jogaremos em nossa trajetória centenária de lutas e glórias defendendo as cores de um só clube: o Palmeiras. Ao mesmo tempo, no momento em que redigimos este documento, o país chora a morte de mais de 211 mil brasileiros, vitimados pelo Covid-19, mas também pela negligência e pelo negacionismo do Estado no combate à pandemia que assola o planeta. 

Por isso, manifestamos preocupação com a possibilidade de nosso clube ter a sua imagem novamente associada, em um momento grandioso de nossa história, a um governo denunciado internacionalmente por seus ataques sistemáticos aos direitos humanos, pela devastação deliberada do meio ambiente e por seu comportamento genocida diante de um dos períodos mais difíceis da história do Brasil. 

Além de ser tratado como pária internacional, devido aos motivos supracitados e também à péssima condução das relações internacionais, criando animosidade e hostilidades inclusive com países vizinhos aqui na América do Sul, algo que em nada interessa ao Palmeiras, o presidente tem a fama de “vira-casaca” e “torcedor misto”, ao aparecer batendo no peito e envergando a camisa de dezenas de clubes – incluindo nossos rivais, inclusive o rival que disputa a final da Libertadores contra o Palmeiras. 

Preocupados com a reputação do clube diante desta possibilidade e solidários ao luto de milhares de palmeirenses que perderam familiares e amigos durante a pandemia, exortamos que o Palmeiras não se preste ao papel de pedestal para aquele que, além de não demonstrar nenhum vínculo afetivo real com o nosso clube ao vestir tantas camisas, comete atrocidade ao fazer chacota com a dor dos brasileiros que choram seus mortos na pandemia. 

É neste cenário que disputaremos a final do campeonato mais importante do continente e é pela grandeza do clube que expressamos nosso ponto de vista, conclamando a diretoria do clube a levar em consideração a opinião dos que subscrevem esta carta, sempre em defesa de um Palmeiras democrático, humano e inclusivo. Um Palmeiras de todos e para todos

Assinaturas: Porcomunas; Palmeiras Antifascista; @PorcoÍris; Palmeiras Livre; USParmera; Palestra Sinistro

 

Foto: Marcelo Machado de Melo/FotoArena/Estadão Conteúdo

Em destaque