Carregando

Buscar

Futebol

Sornoza e Orejuela cobram R$ 3,6 milhões do Fluminense na Justiça

Compartilhe

Os processos continuam assombrando o Fluminense. Entre o fim de dezembro e início de janeiro mais dois ex-jogadores do clube entraram na Justiça. Sornoza e Orejuela, equatorianos contratados em 2017 com salários de aproximadamente R$ 180 mil cada um, cobram  R$ 3.601.645,11 por dívidas e multas do período em que estiveram nas Laranjeiras.

O meia foi o primeiro e moveu uma ação contra o Tricolor no dia 21 de dezembro, com a cobrança de 1.203.472,44, segundo informações do “Globo Esporte”. Já o volante acionou a Justiça no dia 5 de janeiro e solicita R$ 2.398.172,67.

Sornoza tinha contrato com o Fluminense até dezembro de 2019, mas atuou apenas entre 2017 e 2018. Disputou 98 jogos e marcou 10 gols. Atualmente no Tijuana, o jogador cobra as seguintes quantias:

  • R$ 22.121,88 de verbas rescisórias;
  • R$ 176.775,12 de 13º salário de 2018;
  • R$ 523.109,99 de FGTS não recolhido desde 2017;
  • R$ 324.490,79 de multas;
  • R$ 156.974,66 por 15% dos honorários sucumbenciais.

 Foto: Divulgação / Fluminense

João Felix

Orejuela, no entanto, tinha vínculo até dezembro de 2020, mas só jogou pelo clube em 2017, quando disputou 48 partidas e fez um gol. Atualmente no Barcelona de Guayaquil, do Equador, o volante cobra as seguintes quantias do Tricolor:

  • R$ 131.921,53 referente a 20 dias do salário de janeiro de 2020;
  • R$ 118.729,36 por 50% das verbas rescisórias;
  • R$ 21.986,92 pelas férias proporcionais de 2019/20 + 1/3 constitucional;
  • R$ 555.673,49 de FGTS não recolhido desde 2017
  • R$ 719.224,17 de multas;
  • R$ 312.805,13 por 15% dos honorários advocatícios.

Há uma diferença de R$ 537.832,07 do valor total cobrado por Orejuela que não foi explicado no processo.

Em destaque