Carregando

Buscar

Futebol

Mesmo com esforços, Cruzeiro chega a R$ 1 bilhão em dívidas

Compartilhe

Série B, pandemia, falta de venda de jogadores e alta do dólar, essas são algumas das explicações para que mesmo com esforços da diretoria do Cruzeiro as dívidas do clube mineiro chegou a casa de R$ 1 bilhão. O time divulgou o balancete do terceiro trimestre de 2020 e o cenário não é dos melhores.

De janeiro a setembro de 2020, o Cruzeiro arrecadou “apenas” R$ 84 milhões, muito abaixo do valor obtido no mesmo período no ano anterior, que foi de R$ 234 milhões. A explicação é que com a queda para a Série B, a cota de TV paga aos clubes se torna mais baixa, além do fechamento dos estádios, por conta da pandemia, não possibilitou o clube de lucrar com a bilheteria.

João Felix

Em setembro de 2020, mesmo não sendo criados novos débitos, as dívidas superaram R$ 1 bilhão. O grande problema se encontra no que o Cruzeiro define como “contas a pagar”, que seria direito de jogadores comprados e comissões a intermediários. Em sua grande maioria, são despesas em outras moedas, como dólar e euro, e com a desvalorização do real no cenário mundial, essas dívidas disparam em valores afetando diretamente o caixa da equipe Celeste.

Mesmo com o cenário assustador, o Cruzeiro conseguiu em outubro de 2020, um acordo com o governo federal, para parcelar parte de suas dívidas. A atual gestão conseguiu um desconto de R$ 152 milhões e mais um prazo para os R$ 182 milhões restantes.

Tags

Em destaque