Carregando

Buscar

Futebol

Federação uruguaia pede revisão de punição de Cavani

Compartilhe

Após ser punido em três jogos pela Federação Inglesa (FA) por má conduta nas redes sociais devido a um suposto termo racista usado – ele escreveu em uma foto “obrigado, Negrito”, Edinson Cavani recebeu ajuda da Federação Uruguaia de Futebol (AUF) para reverter a penalidade. 

O órgão, em suas redes sociais, saiu em defesa do atacante do Manchester United e pediu a revisão da suspensão. Em nota oficial, a AUF manifestou apoio ao atleta e argumentou que a punição desconsidera os critérios mais elementares de contextualização cultural e sentido das expressões feitas na língua espanhola.

“Em nosso espanhol, que difere muito do espanhol falado em outras regiões do mundo, os apelidos negro / a ou negrito / a são usados assiduamente como expressão de amizade, afeto, proximidade e confiança, e de forma alguma se referem de forma depreciativa ou discriminatória à raça ou cor da pele de quem é mencionado”, diz a nota da AUF.

João Felix

Confira a nota oficial da íntegra:

“A Federação Uruguaia de Futebol deseja expressar sua solidariedade e absoluto apoio a Edinson Cavani nesta conjuntura adversa em que está envolvido. Conhecemos o jogador, mas muito especialmente conhecemos o ser humano desde a adolescência, em sua passagem pelas categorias de base. Somos testemunhas de sua nobre alma. Nós o vimos crescer em direção à glória e voltar sempre e sempre sendo o mesmo de sempre, simples, solidário, humilde. Edinson é uma pessoa de moral e ética impecáveis, um ser de temperamento calmo e sensibilidade solidária.

A análise do fato que deu origem ao processo disciplinar e à sanção imposta, tem merecido a rejeição unânime da mesma por aqueles que aplicam os critérios mais elementares de contextualização cultural e sentido das expressões feitas na língua espanhola. Em nosso espanhol, que difere muito do espanhol falado em outras regiões do mundo, os apelidos negro / a ou negrito / a são usados assiduamente como expressão de amizade, afeto, proximidade e confiança, e de forma alguma se referem de forma depreciativa ou discriminatória à raça ou cor da pele de quem é mencionado. A Academia Nacional de Letras do Uruguai o expressa com absoluta clareza em sua declaração formalmente emitida , explicitando, entre outros argumentos, o seguinte:

Na variedade do espanhol no Uruguai, por exemplo, entre casais e amigos, entre pais e filhos, pode-se ouvir e ler formas como gordis, gordito, negri, negrito / a. Na verdade, a pessoa que se atende com esses vocativos não precisa ter excesso de peso e nem pele escura para recebê-los “. É relevante que também se leve em conta que a gratidão de Cavani, que deu início a esta confusão, foi dirigida a um uruguaio, que também é seu amigo íntimo e por isso conhece e compartilha sua maneira de falar.

Portanto, é claro que o processo que levou à sanção de Edinson Cavani sofreu com a consideração dessa análise elementar e acaba consagrando uma injustiça flagrante que fere a moral de uma pessoa impecável. Com base nessas considerações, a Federação Uruguaia de Futebol insta a FA a rever a sanção a Edinson Cavani. Estamos convencidos, pelo nosso profundo conhecimento de sua pessoa e pela análise do fato, que você não é digno dela ou do conseqüente dano moral.

Não obstante o acima exposto, a AUF deseja expressar o seu compromisso inabalável na luta contra o racismo e todas as formas de discriminação conhecidas contra pessoas, grupos humanos, grupos ou nações. Em todas essas lutas, ademais, tanto nosso futebol uruguaio quanto nosso país foram pioneiros no mundo desde os tempos em que ainda vigoravam regimes opressores de liberdade e dignidade humana. Em nossa área, além disso, os princípios e valores que sustentam essa luta estão incorporados na formação de jogadores e pessoas, e Edinson Cavani foi formado neles”.

Recentemente, a Associação de Futebolistas do Uruguai (AFU) já havia se manifestado sobre o tema e acusou a FA de discriminar os uruguaios. Jogadores como Suárez também se posicionaram em defesa do companheiro.

A Academia de Letras do Uruguai também comentou o caso e classificou a punição a Cavani como “ignorante” e reiterou que o termo “negrito” é um tratamento afetuoso na variante do espanhol usado no país.

Em destaque