Carregando

Buscar

Futebol

Laudo da polícia diz não ser possível confirmar se Dudu agrediu a ex-mulher em confusão

Compartilhe

Um laudo produzido pelo Instituto de Criminalística de São Paulo diz não haver provas suficientes que comprovem as acusações de Mallu Ohanna sobre supostas agressões de Dudu, ex-Palmeiras. A notícia foi publicada pelo portal “UOL” e confirmada pelo “GloboEsporte”.

O documento de 258 páginas da polícia se baseou nas gravações de vídeos do condomínio que o jogador morava. O relato, no entanto, defende que o atacante foi agredido pela ex-esposa, e não o contrário. O laudo também conclui que não há cortes nas imagens cedidas para a averiguação.

“É possível verificar que no interior da garagem, Mallu vem a efetuar um movimento com seu braço esquerdo em direção à orelha direita de Eduardo, local em que se encontrava, naquele instante, o telefone celular dele, sendo que neste momento Eduardo vem a se esquivar (…) Posteriormente, em outro momento, Mallu vem a desferir um tapa contra Eduardo, atingindo-o. Eduardo não revida as ações perpetradas por Mallu”, diz o documento.

João Felix

Por meio da sua assessoria de imprensa, Dudu se posicionou sobre a decisão em um comunicado. “Desde o início das acusações, o jogador, na certeza de sua plena inocência, sempre se colocou à disposição das autoridades policiais e foi, mais de uma vez e de forma espontânea, à delegacia para esclarecer eventuais dúvidas durante as investigações elaboradas pela delegada e sua equipe. O resultado da perícia só corrobora com os depoimentos do atleta, testemunhas e demais provas anexadas ao inquérito, e confirma que o jogador é inocente”.

O laudo ainda diz que as imagens não permitem a conclusão de possíveis agressões do jogador sobre Mallu dentro de um carro, estacionado na frente do condomínio. Segundo as polícias, as câmeras registram apenas tapas da ex-mulher no atleta.

“Não é possível afirmar categoricamente a respeito de possíveis agressões efetuadas por Eduardo, no interior do veículo em tela, uma vez que as câmeras não apresentavam posicionamento e angulação favoráveis. Alia-se, ainda, o fato de pessoas se posicionarem entre a respectiva câmera e o veículo. Mallu adentrou no veículo desferindo golpes, com as duas mãos, contra Eduardo, em seguida se sobrepôs a ele, onde permaneceu golpeando-o”, ressaltou o laudo do Instituto de Criminalística.

Em destaque