Carregando

Buscar

Futebol

Entenda como Fair Play Financeiro pode definir o destino de Lionel Messi

Compartilhe

Com saída iminente do Barcelona, Lionel Messi agita o mercado de transferências no futebol. No entanto, negociar com o atual melhor jogador do mundo não é uma tarefa tão simples. Isso se deve ao fato de que o argentino ainda possui uma multa rescisória de 700 milhões de euros (R$ 4,5 bilhões) com o Barça. O intuito do clube é cumprir com o acordo, mas o atleta busca rescisão para facilitar sua saída. Com isso, os interessados terão que controlar suas evasivas por conta do “fair play” financeiro.

Criado em 2011 pela Uefa, o “fair play” financeiro surgiu com o intuito de trazer mais saúde aos cofres dos clubes, permitindo que apenas negócios realistas sejam realizados e nenhum chegue ao ponto de ter que fechar as portas por estar com dívidas expressivas. Desde então, as equipes não podem gastar mais do que arrecadaram.

A entidade, a princípio, permite que os clubes gastem até 5 milhões de euros a mais do que ganham dentro de um período de três anos. Contudo, podem exceder esse limite desde que os donos tenham como garantia um patrimônio para realizar o pagamento. Atualmente, o déficit pode chegar no máximo a 30 milhões de euros a mais do que arrecadados.

João Felix

Ainda há mais flexibilidade. Os times são permitidos de romper essa barreira de 30 milhões de euros caso comprovem a existência de um plano de negócios para ter o suficiente para sanar dívidas. Para contar com Messi, as contas dos clubes precisarão ser muito bem analisadas. Mesmo que o argentino seja liberado, a equipe terá de colocar no orçamento o salário do atleta, que é um dos maiores do mundo.

O Manchester City, forte candidato na corrida por Messi, já passou por problemas com o “fair play” financeiro ao inflacionar de maneira falsa valores do patrocínio com a Etihad. De acordo com o jornal “Mundo Deportivo”, o City alcançou a receita de 595,54 milhões de euros na temporada passada. Já nesta, segundo o “Transfermarkt”, o clube gastou 154,43 milhões de euros em reforços e recebeu 114,40 milhões com vendas. Vale frisar que os valores tendem a cair devido à pandemia de coronavírus.

Já o PSG, também enfrentou problemas com o “fair play” em 2014. O atual clube de Neymar Jr. chegou aos 649 milhões de euros arrecadados na temporada anterior. Na atual, a equipe gastou 73 milhões e obteve retorno de 129 milhões com saídas. Enquanto isso, o Manchester United obteve faturamento de 674 milhões de euros. Nesta, gastou 44 milhões e recebeu 28,3.

Por fim, a Inter de Milão é a com mais limitações econômicas. Na temporada passada, obteve receita de 365 milhões de euros. Nesta temporada, gastou 293,48 milhões de euros com reforços e arrecadou 198,85 milhões com saídas.

Em destaque