Carregando

Buscar

Futebol

Ministério Público do Acre pede monitoramento do goleiro Bruno por tornozeleira eletrônica

Compartilhe

O Ministério Público do Estado do Acre (MP-AC) solicitou que o goleiro Bruno seja monitorado por tornozeleira eletrônica. O pedido da 4ª Promotoria Criminal foi protocolado junto à Vara de Execuções Penais, que ainda tomará uma decisão sobre o assunto. As informações foram divulgadas pelo portal “Uol Esportes”.

Bruno cumpre pena no regime semiaberto domiciliar de Varginha (MG) após condenado por homicídio triplamente qualificado pelo assassinato da ex-companheira Eliza Samúdio, em 2010. O ex-Flamengo foi recentemente contratado pelo Rio Branco e gerou polêmica nas redes sociais. O clube, inclusive, perdeu o principal patrocinador

Em nota oficial, o MP-AC informa que, além do monitoramento eletrônico, o goleiro apresente carta de emprego ao Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), exigência imposta a todos os presos que cumprem pena no regime semiaberto.

João Felix

Tales Fonseca Tranin, promotor de Justiça, explicou que solicitou ao Rio Branco-AC que arque com os possíveis danos ao equipamento em decorrência da atividade. “Como ele veio para jogar futebol e este é o trabalho dele, pedi que o empregador arque com as consequências dos danos para não onerar o Estado”, disse. Ainda segundo a nota do MP, o goleiro precisaria de autorização para participar de jogos durante à noite ou em domingo e feriados.

Bruno se apresentou ao Rio Branco-AC em 30 de julho. Bruno participou de todos os treinos ao longo dos últimos três dias no CT do clube, mas ainda não tem data prevista de estreia.

Em destaque