Carregando

Buscar

Futebol

Lazaroni fala sobre derrota na Copa de 90: “Eu carreguei um fardo muito pesado”

Compartilhe

Na última quarta-feira, completava 30 anos desde a derrota do Brasil na Copa de 90, diante da Argentina, por 1 a 0, nas oitavas de final. Sebastião Lazaroni, técnico da seleção na época, em entrevista ao “Extra”, contou como foi lidar com a culpa de boa parte da mídia, em relação ao fracasso naquela edição:

“Relembrar os 30 anos daquela eliminação para a Argentina traz uma ponta de tristeza. Jogamos melhor, criamos mais e perdemos na atuação daquela máxima do futebol: quem não faz, leva. Incomoda mais pelo fato de, na Copa América do ano anterior, termos conseguido superá-los, o que não se repetiu naquele dia, muito pela ausência de peças importantes. Fica o gosto um pouco amargo de um trabalho que abrangia o título continental, vencido dentro do Maracanã depois de 40 anos, toda a preparação para o Mundial, mas que não foi alcançado em sua totalidade. Hoje, anos depois, é muito fácil apontar o que poderia ou não ter feito. No entanto, acho que, depois de o Branco me revelar que estava um pouco “aéreo”, o que viemos a saber anos depois ser por decorrência de uma água ‘batizada’ cedida pelo massagista da Argentina, eu poderia substituí-lo pelo Mazinho”, disse.

 
Foto: Twitter
João Felix

“Ao final, com eliminação, vem a necessidade de apontar o culpado, o responsável ou os responsáveis, acredito que seja um dos fatores do insucesso ter recaído sobre mim. Por mais que tenha existido a ‘Era Dunga’, ele foi capitão do tetra quatro anos depois, junto com outros que estavam naquele elenco na Itália. Foram, talvez, perdoados por terem alcançado o objetivo posteriormente. Fiz parte de uma transição de gerações: dos times brilhantes dos anos 1980 para os vencedores de 94 e finalistas de 98”, Prosseguiu.

“Durante o Mundial, não ficou acertado, em momento algum, a premiação dos componentes. Acabou que saímos da Copa, isso não foi acertado e ninguém nunca viu a cor desse dinheiro. Podem até julgar como aspecto meramente econômico, mas todos ali eram profissionais. É o ganha pão de cada um”, revelou.

Foto: Twitter

Lazaroni falou dos efeitos que a derrota encadeou em sua carreira:

“Estaria mentindo, se dissesse que aquela eliminação não marcou minha carreira. As pessoas, a própria mídia são muito cruéis em alguns pontos. Basta lembrar o que foi a vida do Barbosa pós-Copa de 1950. Eu carreguei, no mínimo, por uns 10 anos, um fardo muito pesado. Mesmo fora do Brasil, treinando no México, recebia notícias de que ainda me criticavam: ‘Pô, estão falando mal de você para caramba!’, me passavam. Eu digo que ser treinador é igual aquela modalidade da vela (Classe Laser) em que você está sozinho naquele barquinho e o vento bate na sua vela e vai te levando na direção que ele deseja e o que não faltam são pessoas que digam que você deveria ter tomado esse ou aquele outro caminho em vez do que você tomou. Não é fácil”, contou.

“Ainda sim, sou um otimista. Sempre fui. Agradeço constantemente por tudo que consegui e me foi proporcionado na vida. Não tenho rancor, raiva, nem nada disso. O que passou, passou. É para frente que se anda”, finalizou.

Tags

Em destaque