Carregando

Buscar

Futebol

Fifa confirma início das eliminatórias para a Copa do Mundo 2022, no Catar

Compartilhe

Em entrevista coletiva realizada nesta quinta-feira, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, confirmou o que a Conmebol havia antecipado há uma semana: as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, no Catar, começam em setembro. No entanto, apenas na América do Sul e na Europa, deixando para outubro e novembro o início dos jogos envolvendo as seleções da África, Ásia, Oceania e das Américas Central e do Norte.

A disputa deveria ter começado em março, quando o futebol foi paralisado em todo o mundo por causa da pandemia da Covid-19. Como o Mundial do Catar – cujo Comitê Organizador confirmou também nesta quinta a primeira morte de um funcionário das obras de infraestrutura , vítima do novo coronavírus – está marcado para dezembro, em vez do habitual início em junho e termino em julho, a reorganização foi facilitada. Assim, a Fifa adiou também a repescagem, que seria em março de 2022. Agora, será realizada em junho.

Presidente da Fifa, Gianni Infantino ressalta atrasa na disputa de outras confederações (Reprodução)

Não houve definição, porém, em relação ao novo Mundial de Clubes. Inicialmente marcado para junho de 2021, o campeonato teve de ser adiado para a realização, no mesmo período, da Europa e da Copa América, que seriam este ano. “Estamos analisando o que é melhor, se realizar em 2021, 2022, 2023… Está tudo em aberto, porque o importante para mim e para Fifa é ajudar quem está precisando. Espero que possamos decidir e anunciar em breve quando o torneio será disputado, mas agora a nossa prioridade é outra”, disse Infantino.

Essa ajuda vem na forma de US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 8,1 bilhões) aos afiliados, para minimizar os impactos da pandemia da Covid-19. O primeiro passo é o pagamento de custos operacionais de competições, sendo que metade do valor inicial deve ser revertida ao futebol feminino. Em seguida, as 211 federações receberão o valor restante em forma de doações em empréstimos, sendo que, novamente, o futebol feminino obrigatoriamente tem de receber 50%.

João Felix

Em destaque