Carregando

Buscar

Futebol

Romildo Bolzan, presidente do Grêmio, afirma que não comprará reforços e que vendas são necessárias

Compartilhe

Romildo Bolzan, presidente do Grêmio, foi entrevistado no programa “Troca de Passes” e reforçou a importância da venda de jogadores para cumprir as metas do orçamento. O dirigente disse que não há intenção de priorizar a negociação de algum atleta, e que as definições serão de acordo com as oportunidades de mercado.

Porém o clube sabe que algumas peças fundamentais no elenco estão na mira de gigantes europeus, como é o caso de Everton Cebolinha, Pepê e Matheus Henrique. O Grêmio, inclusive, já teria recebido uma proposta no valor de R$157 milhões pelo campeão da Copa América. 

O Grêmio tem um elenco muito importante. Todos são jogadores extremamente interessantes do ponto de vista de valorização. Não temos prioridade de venda de um ou de outro. Vai depender da oportunidade. E nós precisamos vender jogadores para cumprir nossas metas orçamentárias, suas receitas”.

O mandatário ainda afirmou que não há planos de novas contratações para o restante da temporada. O objetivo, no entanto, é terminar o ano com o elenco atual e promover garotos mais jovens, com foco na base.

“Eu acho muito complicado justificar uma contratação neste momento de dificuldade. Como você pede um sacrifício de redução ou parcelamento do salário para o elenco se você tem a contratação de um jogador, que descaracteriza a manutenção do equilíbrio financeiro? Então, não imaginamos contratação nova para nenhuma posição. Vamos enfrentar o final do ano com o que temos. E estamos melhorando o posicionamento de jovens valores, buscando renovar contrato dos jovens para que eles sejam aproveitados mais para frente, continuando com nossa política de formação de atletas que vem dando resultado já há algum tempo”.

João Felix

O presidente do Tricolor ainda afirmou que não buscará um substituto para o lateral Caio Henrique, que chegou emprestado do Atlético de Madrid e teve que retornar ao time espanhol. A intenção é promover alguém da base, além de ter Bruno Cortez para a posição.

“A chegada do Caio Henrique era entendida como uma qualificação para o setor, para ter dois jogadores com capacidade de titularidade. Com a saída dele por requisição do Atlético de Madrid, vamos trabalhar mais a promoção de jogadores daquela posição formados pelo clube. Temos vários jogadores ali que podem suprir nossa necessidade no momento”, finalizou.

Tags

Em destaque