Carregando

Buscar

Futebol

Montenegro alfineta rivais cariocas por retorno de atividades: “Daqui a pouco, o Flamengo estará treinando no São João Batista, no Caju…”

Compartilhe

Carlos Montenegro foi convidado do programa “Os Donos da Bola” e soltou o verbo quanto à pressa de Flamengo e Vasco em retornar com os treinos. O ex-presidente do Botafogo e atual membro do comitê gestor do clube afirmou que o futebol não é serviço essencial e questionou a postura dos rivais cariocas.

Elenco do Flamengo é testado antes do retorno às atividades - Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

“É uma doença traiçoeira, e eu acho um absurdo alguns clubes, ou algumas pessoas, querendo colocar o futebol como um boi de piranha. Eu não vejo ninguém falando que os universitários têm que voltar. Não vejo ninguém falando que as escolas têm que funcionar. Têm coisas muito mais importantes na vida do que o futebol. O futebol não é um serviço essencial. A palavra de ordem é isolamento. O futebol é contato o tempo todo. Por que o jogador de futebol tem que passar por isso? Por que ele não é tratado igual ao universitário, com respeito?”

João Felix

Montenegro ainda acrescentou: “Vão jogar contra quem? Os times do Rio vão ficar aqui. Eles vão jogar contra Ceilândia, Brasília, Sobradinho? O Campeonato Carioca vai ser esse? Vão jogar um contra o outro só? Então, vão tirar os jogadores de suas famílias e colocar um mês num hotel em Brasília? Poxa, a família aqui fica desamparada. O jogador, lá, fica sozinho e preocupado com o que está acontecendo”.

O cartola ainda fez menção à tragédia do Ninho do Urubu, que completou um ano em fevereiro. “E o Flamengo devia ter mais cuidado, porque já passou por uma tragédia no Ninho do Urubu. Ali, aconteceu ao acaso, não tiveram culpa, mas deveria ser um alerta para eles tomarem cuidado agora”, ressaltou. 

Para o ex-presidente do Botafogo, a tentativa da retomadas das atividades pelos times cariocas é “absurda” e um ato contra a vida dos atletas e funcionários. Ainda acrescentou que “todo mundo está sofrendo por questões financeiras”.

“O problema não é treinar no Ninho do Urubu ou em Brasília. Daqui a pouco, o Flamengo estará treinando no São João Batista, Caju, no Cemitério do Morumbi. E também não é protocolo ou fazer teste. O que o Flamengo tinha, se quisesse forçar uma barra, era comprar respiradores e camas de UTI para, quando os seus jogadores e funcionários estiverem doentes, eles terem um respirador para sobreviver”, esbravejou o dirigente, que continuou:

“Eu não entendo qual a agonia do futebol voltar amanhã ou daqui a 20 dias. Dinheiro? Está todo mundo sofrendo, ou você acha que as pessoas vão aos jogos normalmente, os patrocinadores vão voltar, que vai ter jogo, que as pessoas vão ver na televisão? É questão de bom senso. Eu acho um absurdo”.

Jogadores do Flamengo em treino na manhã desta quarta-feira. Foto: Reprodução

Mesmo sem a autorização da prefeitura do Rio de Janeiro, o Flamengo seguiu com as atividades na manhã desta quarta-feira. Recentemente, o clube divulgou que não há casos positivos de Covid-19 no elenco após novos exames.

Tags

Em destaque