Carregando

Buscar

Futebol

Ministro italiano não garante retorno da temporada 2019-2020 no futebol: “Caminho muito difícil”

Compartilhe

O ministro dos Esportes da Itália, Vincenzo Spadafora, concedeu uma entrevista ao canal de TV “La7” e disse que está cada vez mais difícil um recomeço das competições esportivas no país devido ao novo coronavírus. Em sua opinião, é melhor que os clubes já se preparem para a próxima temporada. 

“Honestamente, vejo o caminho para um regresso da competição cada vez mais difícil. O treinamento é diferente, mas se fosse presidente de um clube da Série A começaria a pensar na próxima temporada, disse o governante.

Spadafora explicou que as conversas serão mantidas entre o comitê-científico e a Federação Italiana (FIGC), que apresentou um plano de retomada às atividades considerado insuficiente, a fim de encontrar uma maneira segura e viável do esporte voltar ao normal no país.

Porém o ministro não é otimista quanto à normalização do futebol. Para ele, “basta seguir o caminho da França e da Holanda”, acabando com as dúvidas e preocupações sobre a temporada atual. Os dois países citados já decretaram o cancelamento do campeonato devido à pandemia.

No último domingo, o governo da Itália liberou os treinos individuais dos atletas a partir do dia 4 de maio, porém pediu aos clubes que voltassem aos centros de treinamento apenas dia 18 do mesmo mês. Porém a data estimada não agradou aos dirigentes dos times italianos.

O diretor esportivo da Lazio, Igli Tare, criticou a postura do governo e disse que o futebol está sendo discriminado no país, considerando as decisões tomadas pelos órgãos federais. 

“Estamos surpresos com as palavras do primeiro-ministro, Giuseppe Conte, e do ministro dos Esportes, Vincenzo Spadafora. O dia 4 de maio devia ser o momento de voltar aos treinos. Considerando as decisões tomadas, cremos que fomos discriminados e enganados”. 

A Itália é o segundo país do mundo com mais mortes registradas pelo Covid-19, ficando atrás somente dos Estados Unidos. São, ao todo, 27.359 óbitos, em mais de 201 mil casos de pessoas infetadas.

Tags

Em destaque